Páginas

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Se ela diz, sou diferente!

Existem momentos na vida que o mais adequado seria ser um avestruz. Cavar um buraco na terra e afundar a cabeça. Bom, nem sempre essas situações são culpa nossa, ou até são, mas porque levamos a diante uma conversa em que a outra pessoa fala a MELHOR asneira dos últimos tempos.

Foi na aula de Inglês. Sim, gosto das aulas em grupos pequenos, pois podemos discutir opiniões, debater temas e aprimorar nossas idéias. Ficava triste quando pegava uma turma que não gostava muito de participar. Sempre gostei muito de falar, mas não sozinha! Já estive em todos os tipos de turmas, mas faz alguns anos que agora só participo de turmas de adultos. O mais novo sempre tem, na melhor das hipóteses, 2 anos a menos do que eu.

Continuando...estava na aula de inglês, quando a professora propôs que fizéssemos uma "mesa redonda" e discutíssemos a respeito da liberdade. As pessoas podem ser livres ou ela precisam de regras 100% do tempo?! Esta era a questão. A turma foi dividida em duas, metade deveria defender a liberdade (o meu grupo) e a outra parte lutar pela legislação e o controle. Era importante que a opinião pessoal de cada integrante não transparecesse no diálogo.

Começamos! Eu estava fazendo o meu papel, defendendo a liberdade sem qualquer tipo de legislação. Foi então que ouvi: "É que tu é diferente da gente. Imagino que estejas até no colégio". É...complicado. O que dizer em uma hora dessas?! Não disse nada. Apenas imaginei a minha mãe, até pouco tempo atrás me dizendo "O dia em que tu fores grande tu vais entender".

Talvez eu seja diferente mesmo. A diferença começa quando a colega julga alguém (e suas opiniões) pela idade. Ah, só pra constar também. Estou na faculdade. Faço Jornalismo. Prazer, meu nome é Patrícia.

4 comentários:

Carolina Tavaniello P. de Morais disse...

Fala sério! Eu jamais teria ficado quieta!! AAAAAAAAah, que raiva! Tomei tuas dores agora hehehe
beijos

Bruno-Lango disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno-Lango disse...

Também, né... com essa carinha de menininha indefesa! hauahuahauahauahuahauahauahua!!!
To brincando.

O fato é que infelizmente somos julgados o tempo todo pela nossa aparência e pelo que falamos, ainda mais quando não conseguem entender o que estamos querendo dizer. O pior é que fazemos isso com os outros também.

O negócio é ficar fria! Tu sabe exatamente quem tu é. Não precisa provar nada pra ninguém. Quem gosta de ti é que te conhece!

Continue escrevendo!

Beijos

Anônimo disse...

Teu humor negro sempre presente, né Pati?
Adorei hehe!
Beijo!